Mariana

São Paulo, Av. Paulista, 2016.

Parceria: Gráfica Fidalga.

Fotos: Isabel Roth.

"No dia 5 de novembro de 2015, na cidade de Mariana, Minas Gerais, uma barragem de rejeitos de minério de ferro da empresa Samarco se rompeu, despejando 50 milhões de metros cúbicos de lama no Rio Doce. O subdistrito de Bento Rodrigues, localizado a cerca de 10 km da barragem rompida, foi completamente devastado. Dezenove pessoas morreram. Não havia plano de contingência e a comunidade sequer foi alertada quando ocorreu o rompimento. A lama de rejeitos percorreu mais de 600 km até chegar ao oceano Atlântico, causando ampla devastação em municípios ribeirinhos em Minas Gerais e no Espírito Santo. Ao atingir o mar, a lama se alastrou por vários quilômetros ao norte e ao sul da foz do Rio Doce, impactando a fauna e a flora marinha. O rompimento da barragem da Samarco se tornou o maior desastre ambiental da história do Brasil.

O Ministério Público Federal denunciou, em 20 de outubro 2016, 21 pessoas ligadas à Samarco e suas controladoras, Vale e BHP Billition por homicídio com dolo eventual, lesões corporais graves  e crime ambiental, dentre outras acusações. As empresas repudiam as acusações e negam qualquer conhecimento prévio dos riscos de rompimento da barragem."

|